O culto do Evangelho no Lar não é uma inovação.

É uma necessidade em toda parte,
onde o Cristianismo lança raízes de aperfeiçoamento e sublimação.

Culto do Evangelho no Lar

Conceito
O Culto do Evangelho no Lar é uma reunião periódica da família, instituída por Jesus, para palestra edificante e meditação elevada em torno de seu evangelho.

Motivação
O Culto do Evangelho no Lar é verdadeiro banho de luz espiritual que ilumina o lar, higieniza a mente e a alma, harmonizando a família na paz de cristo;

O estudo do evangelho propicia a quem dele participa condições de colocar em prática, no dia a dia, os ensinamentos assimilados durante os cultos;

A oração em conjunto atrai para o convívio familiar os espíritos superiores que passam a amparar os membros da família promovendo o esclarecimento e a desvinculação dos espíritos que temporariamente vibram nas faixas inferiores e de sofrimento;

A família que pratica o Culto do Evangelho no Lar assegura aos seus membros maior estreitamento dos laços de amizade, permitindo um convívio fraterno entre aqueles que reencarnam sob um mesmo teto;

Segundo Joana de Angelis, cap. “Jesus Contigo” no livro “Messe de Amor”, quando uma família ora em casa, toda a rua recebe o benefício da comunhão com o alto. Diz ainda que “se alguém, num edifício de apartamentos alça aos céus a prece da comunhão em família, todo o edifício se beneficia, qual lâmpada ignorada, acesa na ventania”.

Participantes
Todas as pessoas, integrantes ou não da família, podem participar do culto;

A participação dos adultos é facultativa, embora todos devam ser convidados a participar do culto. O melhor argumento para motivar os que não queiram participar será a mudança do comportamento traduzida pela reforma interior daqueles que dele participam;

As crianças da casa devem ser estimuladas, sempre que possível, a participarem do culto, devendo os adultos adequar os temas e os comentários ao nível delas.

Obras e Recursos Didáticos
Recomenda-se as seguintes leituras, seqüenciadas ou não:
Novo Testamento;
O Evangelho Segundo o Espiritismo
Fonte Viva
Vinha de Luz
Pão Nosso
Caminho, verdade e vida
E outros livros que comentam o Evangelho
A escolha das obras dependerá do perfil, experiência e necessidades espirituais dos participantes.

Havendo crianças e jovens em faixas etárias diferentes poderão ser usadas obras subsidiárias específicas para as idades. Preservando o princípio da simplicidade, conforme as condições da família, poder-se-á utilizar ilustrações de histórias evangélicas em forma de desenhos, cartazes, filmes, slides etc.

Poder-se-á aproveitar o culto para o estudo das obras básicas e subsidiárias de comprovado valor e adequadas à ocasião;

Havendo presença de crianças e jovens, os adultos deverão nivelar seus comentários, enriquecê-los com exemplos tornando-os mais favoráveis à assimilação

Dinâmica do Culto
Escolher um dia da semana e fixar horário para o Culto do Evangelho no Lar de preferência aquele em que seja possível a presença de todos os membros da família;

A duração do culto não deverá ultrapassar 60(sessenta) minutos. Este tempo deverá ser consensado entre os participantes levando-se em conta as condições da família, presença de crianças e outros fatores;

Uma vez fixados o dia, horário e duração do culto, passar a observá-los rigorosamente em função da assistência promovida pelos amigos espirituais;

Providenciar água natural para ser fluidificada, condicionada em quantidade suficiente para ser distribuída entre os presentes após a prece final;

Iniciar o culto com a prece preparando o piso espiritual tanto a nível individual como de ambiente, propiciando um clima adequado de recolhimento e de alegria para melhor aproveitamento na assimilação dos recursos espirituais e dos ensinamentos evangélico-doutrinários a serem desenvolvidos;
Fazer leitura e comentários sobre os textos lidos nas obras escolhidas. A reunião poderá ser enriquecida com poesia, história ou narrativa de fatos reais que possam ser analisadas à luz da doutrina espírita;

O coordenador do culto deverá incentivar a participação de todos garantindo a correção de conceitos e pureza doutrinária visando aproveitamento geral. De todos os assuntos discutidos, deve o coordenador fazer o fechamento, sumarizando os aspectos morais e as lições educativas que levem os participantes à reflexão e estímulo à reforma íntima;

Encerrar o culto com a prece de agradecimento, lembrando-se também daqueles que não puderam estar presentes, parentes, familiares, amigos, humanidade, vizinhos etc.

Distribuir a água fluidificada a quem desejar;

Procurar manter o clima de harmonia após o culto.

Considerações Gerais

Em nenhuma circunstância, permitir que seja o culto transformado em reunião mediúnica. O participante que não conseguir evitar o envolvimento espiritual receberá a ajuda necessária para que se reequilibre, devendo ser retirado do ambiente por um companheiro que dispensará à entidade a ajuda necessária, mediante palavras de esclarecimento, conforto e carinho;

Evitar comparações críticas que possam desmerecer pessoas presentes ou ausentes e religiões;

De acordo com a necessidade e maturidade do grupo familiar, poder-se-á incluir temas de interesse específicos que serão examinados à luz do evangelho de Jesus.

Os comentários deverão ser de ordem geral sem enfatizar problemas de ordem particular, cabendo o aproveitamento ser de responsabilidade individual de acordo com seu estágio evolutivo;

A aplicação do passe estará condicionada à impossibilidade do paciente se deslocar até casa espírita, a uma necessidade premente e haver na equipe de implantação um passista;

Havendo crianças e jovens em faixas etárias diferentes os adultos mais experientes deverão usar a criatividade no planejamento do culto de forma atender a todos os interesses. Poder-se-á, por exemplo, definir etapas do culto, com todos presentes, dedicadas à determinada faixa etária, sem comprometimento da duração prevista e encerramento em conjunto;

Identificando-se dificuldades espirituais específicas em componentes do grupo familiar que participam do culto procurar os serviços especializados oferecidos pela Casa Espírita.

Obstáculos ao Culto
Na implantação do culto ou durante sua realização é comum o surgimento de diversos obstáculos como se a intenção e persistência do grupo familiar fosse colocado à prova. Os mais comuns são:

Visitas Inesperadas
A presença de visitas não deverá impedir sua realização. Serão convidadas a participarem, se isso lhes aprouver, explicando-lhes antes o assunto com franqueza e humildade

Campainha da porta ou do telefone
Escalar um dos participantes para atender em ambos os casos.

Sonolência
Tanto as crianças quanto os adultos devem ser orientados para lutar contra o sono utilizando-se dos recursos da respiração, água, prece etc, evitando-se sugestões hipnóticas

Inquietação das crianças
É normal que crianças, especialmente as menores, fiquem inquietas, chorem, façam birras, puxem e mexam em tudo. O melhor procedimento seja ignorar tais procedimentos motivando-as com:
– Local adequadamente preparado
– Preparar o culto com temas cativantes e utilizar recursos didáticos motivadores
– Livros, revistas e ilustrações apropriadas
– Delegar algum tipo de responsabilidade tais como: trazer água, prece, apanhar livros, etc.

Perguntas Frequentes

Isso é uma questão de nomenclatura, que não influi, nem contribui, não desmerece e nem enaltece.
No Cap XXIX, do Livro dos Médiuns, quando Kardec estuda sobre as sociedades espíritas, que nada mais é que o centro espírita, ele nos orienta sobre a necessidade do culto do Evangelho no Lar.

Antes de mais nada, não é um ritual e sim disciplina, e nem é, também, uma coisa rígida. A importância da regularidade da hora é porque você está fazendo um estudo em conjunto com a espiritualidade que protege o seu lar e os seus familiares. Os espíritos superiores que o assistem, eles são disciplinados. Disciplina é um dos fatores primordiais ao progresso e à evolução.

É uma reunião informal, quando é trazido, na família, os mais variados temas de comportamento, de socialização, que devem ser analisados à luz do Evangelho do Senhor Jesus. Que, O Evangelho Segundo o Espiritismo nos explicita tão bem.

Se ainda tiver dúvidas, esqueça a palavra culto. lembre-se da palavra EVANGELHO. Evangelho é uma palavra grega, formada de duas palavras: EU, que quer dizer: BOM, BEM, BOA. ENGALIÔ, que quer dizer: BOA NOVA, BOA NOTÍCIA. Então, guarde essa BOA e NOVA NOTÍCIA, trazida pelo senhor Jesus. O Evangelho no nosso lar é a BOA NOTÍCIA da reflexão, do aprender a amar uns aos outros. De aprender a nos respeitarmos mutuamente. De aprender a compreender a dificuldade do outro. De aprender a não exigir do outro mais do que ele tem e pode dar. De, antes de ver o defeito do outro, nos indagar: Que pensaria ele de mim, se ele me visse fazendo o que eu faço, pensando o que eu penso. Essa é a BOA NOTÍCIA. Que o Senhor Jesus veio trazer para nós e que deve-se trazer para dentro do nosso lar.

É muito comum, quando nos propomos a fazermos o Culto do Evangelho no Lar, tudo acontecer naquele dia. Esquecemos. Sentimos preguiça. Um filho fica doente. Chegam visitas. E outros empecilhos mais. Isto tudo faz parte daqueles. O que vai determinar a importância do Evangelho em nosso lar, e nos dá a credibilidade na espiritualidade superior é a nossa perseverança. Se esquecermos, façamos na semana seguinte. Se chegar visita, convidemo-las a participar. Se um filho ficar doente, façamos com ele no colo, e etc.

Claro que toda regra tem exceção. Se, de todo realmente, por motivo imperioso maior não puder realizá-lo, deixe na próxima semana, será realizado.

O horário é para o início. Deve-se escolher um horário adequado as necessidades da família, mas atrasar cinco ou dez minutos, os espíritos superiores são muito compreensivos.
Pode! No seu quarto, na sala, “ou até mesmo no box do banheiro”. O importante é fazê-lo.

Se é espírita, há várias modalidades que a gente pode implantar o hábito do Evangelho no lar. Por exemplo:
Pode começar a fazer na hora em que você for dormir.
Marcar, na semana, um dia e hora certa para se recolher

O Evangelho é tão introspectivo e pessoal que, quando o lemos, a interpretação que fazemos é de acordo com os nossos sentimentos, e reflexões, onde o ser analisado somos nós mesmos.
Quando lemos o Evangelho é como se estivéssemos dizendo: isto foi para mim…

Implantação

Equipe de apoio e implantação do Culto do Evangelho no Lar

O GFEFA conta com uma equipe para apoio e implantação do Evangelho no lar. As visitas são sempre às quintas-feiras, horário de 20 as 21 h. Agende com o coordenador da equipe: Alan – fone: (31) 99421-7989